Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Preços do petróleo caem com avanço de casos de Covid-19 em China e EUA

14/01/2021 | 09h03

Os preços do petróleo caíam nesta quinta-feira, uma vez que os sinais de alta dos dados de importação chineses e de queda dos estoques de petróleo dos EUA foram superados pelo aumento de casos de coronavírus na Europa e novos bloqueios na China.

Os futuros de petróleo bruto Brent caíam 0,13 dólar para 55,93 dólares o barril às 8:17 (horário de Brasília), enquanto petróleo nos EUA (WTI) recuava 0,04 dólar para 52,87 dólares.

A China, o segundo maior consumidor de petróleo do mundo, relatou seu maior salto diário em novos casos de Covid-19 em mais de 10 meses, uma vez que as infecções em uma província do nordeste quase triplicaram.

Governos em toda a Europa anunciaram bloqueios de coronavírus mais rígidos e mais longos, e as vacinações não devem ter um impacto significativo nos próximos meses.

"Este retrocesso (do preço), embora possa durar mais do que apenas um dia, não deve ser prolongado e violento", disse o analista da PVM Tamas Varga, apontando que a Arábia Saudita está cortando o fornecimento de petróleo a alguns compradores asiáticos.

Apoiando os preços, as importações totais de petróleo da China aumentaram 7,3% em 2020, apesar do choque do coronavírus, com chegadas recorde no segundo e terceiro trimestres, uma vez que as refinarias expandiram as operações e os preços baixos encorajaram o armazenamento, mostraram dados alfandegários.

Também dando um piso para os preços, os estoques de petróleo bruto dos EUA caíram mais do que o esperado na semana passada, embora os estoques de gasolina e destilados tenham subido à medida que os refinadores aumentaram a produção para o nível mais alto desde agosto, apontou a Administração de Informações de Energia (AIE) na quarta-feira.

Institucional



Fonte: Reuters, 14/01/2021
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar