Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Opep e Rússia negociam cortes à produção de petróleo antes de reunião de junho

28/05/2020 | 17h41

A Arábia Saudita e alguns outros membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) estão considerando estender os atuais cortes recordes de produção até o final de 2020, mas ainda precisam garantir o apoio da Rússia, segundo fontes do setor na Opep+ e no país europeu.

A Opep e seus aliados, liderados pela Rússia, que formam o grupo conhecido como Opep+, chegaram a um acordo no mês passado para reduzir o bombeamento de petróleo em 9,7 milhões de barris por dia (bpd) em maio e junho, depois de a pandemia de coronavírus afetar a demanda e piorar ainda mais um mercado que já sofria com o excesso de oferta.

Agora, em vez de flexibilizar os cortes a partir de julho ---como previa o pacto---, diversas fontes da Opep+ disseram à Reuters que há discussões lideradas pela Arábia Saudita para que o nível das reduções seja mantido.

Divulgação

"Os sauditas entendem que o mercado ainda precisa de apoio, e querem estender os mesmos cortes até o final do ano. Os russos também querem o mesmo, mas o problema ---novamente--- é com as petroleiras", disse uma fonte da Opep+.

O ministro de Energia da Rússia, Alexander Novak, se reuniu com grandes empresas de petróleo do país na terça-feira para discutir a possibilidade de extensão dos atuais níveis de cortes para além de junho.

Fontes familiarizadas com o setor de petróleo russo disseram que não houve decisão, uma vez que as opiniões estão divididas ---alguns argumentam que Moscou deve esperar para ver os níveis de demanda à medida que companhias aéreas retomam seus voos.

"Claro que se nos disserem para continuar com os cortes, vamos obedecer. Mas se a demanda estiver OK, não vemos razão para alterar o acordo", disse uma fonte de uma petroleira russa, referindo-se ao pacto que mantém os cortes atuais até junho.



Fonte: Reuters, 28/05/2020
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar